EXPOSIÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS E COMESTÍVEIS NA ESCOLA IDIVÂNIA

Aconteceu nesta quinta feira na ESCOLA MUNICIPAL IDIVÂNIA DA CIDADE DE FÁTIMA  uma exposição de plantas medicinais e comestíveis, o evento organizado pelos estagiários GEOVANE E RICARDO e as estagiarias JASSI FLÁVIA, CLAUDICE E ALINE, eles que fazem o curso de CIÊNCIAS BIOLÓGICAS  na   faculdade AGES. O evento contou com as participações dos alunos da escola, professores , direçao e coordenação pedagógica,

O uso de plantas para tratar doenças é tão antigo quanto a história da humanidade, mas saber conservar e usar cada tipo é fundamental para garantir que o remédio funcione. Antes de tudo, apague a crença de que tudo que é natural não faz mal. “As plantas necessitam de recursos químicos para se defender, como alguns alcaloides, que, por serem amargos e tóxicos, afastam predadores, ou óleos essenciais, que atraem aves para a polinização”, exemplifica a farmacêutica Ivana Suffredini, da Universidade Paulista, na capital. “Assim como algumas dessas substâncias podem atuar positivamente no organismo humano, outras provocam sérios danos”, alerta.

Outra confusão que precisa ser desfeita é usar os termos plantas medicinais e fitoterápicos como sinônimos. “Fitoterápicos são remédios, que passam por uma rigorosa avaliação de segurança e eficácia em seres humanos, com uma concentração de ativos padronizada, o que nem sempre ocorre com as folhas para o preparo de chás”, diferencia a geriatra especializada em fitomedicina Rita Ferrari, de São Paulo.

Veja também

  • gengibre

Não quer dizer que a população tenha de abandonar as infusões, respeitando-se algumas medidas de cautela. Confira a seleção que fizemos com base no livro “Guia de plantas medicinais de A a Z: 76 espécies aprovadas pela ciência”.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *