Arquivos

SUGESTÕES DE ATIVIDADES PARA 4º ANO

SUGESTÕES DE ATIVIDADES PARA 3º ANO

CAMPANHA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE FÁTIMA-BAHIA( HANSENÍASE E GEO HELMINTÍASE

Começou nesta quarta-feira a Campanha Nacional de Hanseníase e Geo-helmintíase, que vai alcançar uma boa quantidades de alunos entre 5 e 14 anos de idade em todo Brasil,Aqui na cidade de Fátima, a equipe de campanha realizaram os trabalhos nas escolas do Município , exemplo da ESCOLA FLORIANO  e nas Creches Emília Maria e  Creche Maria Jandira,

11933434_1071280999550508_5756965155431517417_nHanseníase – A hanseníase é uma doença crônica, infectocontagiosa. A transmissão ocorre, principalmente, pelas vias respiratórias superiores, de pessoa a pessoa pelo contato íntimo e prolongado. Em 2014, Recife apresentou uma taxa de detecção de 30,46 casos por 100.000 habitantes, configurando uma situação de hiperendemicidade para os parâmetros nacionais. Para menores de 15 anos, a taxa de detecção foi de 14,8 casos por 100.000 habitantes, o que indica presença de casos não diagnosticados em adultos, fonte de infecção para crianças e adolescentes no espaço intradomiciliar. Um dos fatores que contribuem para a transmissão é o abandono do tratamento.Geo-helmintíase – As geo-helmintíases representam um grupo de11937942_1070702149608393_7161138916501378178_n doenças parasitárias intestinais. Constituem um grave problema de saúde pública em diversas cidades do mundo. Sua presença está associada, quase sempre, ao baixo desenvolvimento econômico, carência de saneamento básico e falta de higiene, uma vez que esses vermes são facilmente transmitidos pela água, alimentos, mãos e ambientes contaminados. As crianças constituem um grupo vulnerável para a geo-helmintíase e uma atenção especial deve ser dada a esse grupo, uma vez que esta doença causa impacto negativo no crescimento físico e desenvolvimento cognitivo, além de uma diversidade de quadros mórbidos que podem gerar complicações exigindo, até mesmo, intervenções cirúrgicas e inclusive levar ao óbito.

15 DOENÇAS COMUNS NOS TRÊS PRIMEIROS ANOS DE VIDA

Quem tem filho pequeno sabe que, a cada três meses no máximo, o pequeno aparece com alguma doencinha. Na maioria das vezes, os casos estão ligados às doenças respiratórias causadas por vírus. No entanto, vários outros problemas típicos da infância lotam os consultórios e ambulatórios pediátricos. E a melhor arma para lutar contra eles é munir-se de informações e aprender quanto à prevenção, aos sintomas e aos tratamentos. A pediatra e presidente do departamento de cuidados primários e pediatria ambulatorial da Sociedade Paulista de Pediatria e membro da Brasileira, Ana Cristina Ribeiro Zöllner, e o pediatra da Universidade Federal de São Paulo, Renato Lopes de Souza, listam aqui os principais:

1 AMIGDALITE
É a infecção das amígdalas causada por bactérias ou vírus. Formadas por tecido esponjoso, estas estruturas estão localizadas nos dois lados da garganta. Seu papel é produzir anticorpos para impedir que infecções da garganta, boca e seios da face se espalhem para o corpo.

SINTOMAS: Dor, febre, inchaço ao lado do pescoço e da mandíbula, dificuldade para engolir, calafrios, dor de cabeça e muscular, mau hálito.
TRATAMENTO: O problema causado por bactérias é tratado com antibióticos. Se for vírus, os remédios indicados irão apenas controlar os sintomas.
PREVENÇÃO: Evitar aglomerações e contato com pessoas doentes.

2 OTITE

Continue lendo

ALUNOS DA ESCOLA SÃO NICOLOU RECEBERAM A EQUIPE DO NASF


Nesta quinta feira aconteceu na Escola Municipal São Nicolau um evento em parceria com a equipe do Nasf, onde aconteceram várias atendimentos com: fonoaudióloga,nutricionista,assistente social, no decorrer do evento os alunos apresentaram algumas parodias com vários temas,os alunos também puderam brincar com o pula pula.

Continue lendo

O QUE FAZER QUANDO SEU FILHO NÃO GOSTA DE UMA MATÉRIA

Quando a criança vai mal em uma matéria, pais e escolas devem se reunir para analisar os motivos e encontrar soluções. É possível fazer com que seu filho passe a gostar de determinadas matérias. Atividades lúdicas e exemplo dos pais aproximam os pequenos dos conteúdos. Seu filho torce o nariz para Matemática? Diz que não vê nenhuma graça em História? Não suporta Ciências? Quando a criança mostra dificuldades ou resistências com uma ou mais matérias, prejudicando o seu rendimento escolar, a primeira ideia que pode passar pela cabeça dos pais é que é necessário procurar ajuda de um professor particular ou do reforço escolar. Porém, antes de recorrer a essa solução, primeiro é necessário investigar os motivos da dificuldade do aluno.

A raiz do problema pode estar nas mais diversas causas, desde a dificuldade de compreensão do conteúdo, passando por falta de disciplina para estudar e até mesmo por problemas de relacionamento com o professor. “Pais e escola devem ter sempre o olhar atento para perceber quando o aluno apresenta problema com uma matéria. Quando isso acontece, é necessário que ambas as partes se reúnam para analisar causas e possíveis soluções”, afirma Valéria Galego, orientadora educacional do Colégio Hugo Sarmento. Ela acrescenta que não se pode deixar de ter uma boa conversa com a criança, para entender seus motivos. Esse diálogo não será o momento de cobrar da criança bons resultados, mas sim de procurar oferecer ajuda para superar o problema. “O papel do professor também é muito importante e por vezes é necessário dedicar uma atenção individual maior ao aluno quando ele apresenta baixo rendimento”, explica Valéria.

Além disso, há a questão das aptidões: desde cedo dá para notar as preferências e a vocação das crianças para determinadas disciplinas. “Ter preferências é normal em qualquer dimensão nossa vida: temos uma cor preferida, um livro, um amigo. E isso é comum nos estudos também, onde os alunos mostram suas preferências e habilidades em determinadas áreas. Mas cabe aos adultos aproximá-los de todas as áreas para que eles tenham um amplo repertório de conhecimentos. Muitas vezes o estímulo pode até fazer com que eles passem a gostar da área que diziam não gostar”, afirma.Seja qual for o motivo de o seu filho não gostar de uma matéria, o importante é mostrar para a criança que ela está em uma fase em que precisa se desenvolver em todas as áreas para que tenha uma base sólida de conhecimentos. Segundo Valéria Galego, despertar o interesse das crianças por cada uma das disciplinas ensinadas na escola pode ser mais simples do que se pensa. “Há muita coisa em nosso cotidiano que pode aproximar as crianças dos estudos. Nem precisamos sair de casa para encontrar pistas de biologia, da física, da matemática. O que precisamos é mudar o foco do olhar”, diz Valéria. Uma simples chuva que cai pode ser um objeto de estudo de ciências. “Da mesma forma, ao montar a mesa para o jantar podemos falar sobre as influências da cultura no modo como nos alimentamos ou podemos entrar nas questões matemáticas do tempo e das quantidades utilizadas para o preparo”, explica ela.Há também uma série de atividades que podem despertar o gosto por disciplinas diversas, conforme ressalta Eugênia Castro, coordenadora pedagógica no colégio Madre Alix: “Os pais também podem levar os filhos a museus, a teatros, ao cinema, para que garantam uma maior percepção da realidade e do mundo. Também podem ler livros, ouvir música. Com essas atividades a criança vai despertar sua criatividade e vivência em várias áreas de estudo”.

Para romper as resistências que os filhos possam ter com uma matéria, outro ponto crucial é que os pais não deem o mau exemplo. “Quase sempre escuto pais dizendo ‘meu filho não gosta de Matemática, eu não gostava, minha esposa muito menos’. Quando os pais mudam o discurso, tudo fica mais simples e claro para os filhos”, diz Valéria Galego. Segundo ela, é preciso direcionar o olhar das crianças para o que está acontecendo a sua volta. “Dessa forma elas vão descobrir que além dos muros da escola também se aprende”, afirma a orientadora.

1. O que fazer quando seu filho não gosta de Matemática

Para gostar de qualquer disciplina, inclusive da Matemática, considerada assustadora para muita gente, é preciso entender a sua utilidade e a sua lógica. Quando uma matéria é imposta como algo que demanda apenas decorar um sem número de fórmulas e cálculos sem sentido, não é possível aprender com prazer. Segundo Eugênia Castro, coordenadora pedagógica no colégio Madre Alix, em São Paulo, os pais podem estimular a criança a gostar da Matemática, fazendo-a perceber onde ela está presente em seu dia a dia em atividades bem simples. Podem, por exemplo, ensinar os conceitos de fração ao pedir que o filho corte 1/4 do pedaço do bolo ou ajudem a conferir se o caixa da loja entregou o troco correto. “Eles também podem fazer com que os filhos participem do orçamento familiar. Por exemplo, podem mostrar aos filhos quanto se gasta no mercado ou com atividades de lazer. Ao dar a mesada ao filho, podem falar que ele poderia guardar 10% e ajudar a criança a fazer o cálculo”, diz ela.

2. O que fazer quando seu filho não gosta de Língua Portuguesa

Uma arma muito importante para gostar da Língua Portuguesa é a leitura, conforme pontua afirma Valéria Galego, orientadora educacional do Colégio Hugo Sarmento. “A leitura aproxima todos nós da língua de forma prazerosa. Se seu filho resiste a ler, leia para ele. Deixe que a leitura faça parte da sua rotina diária. Ou ainda, escolha um dia e um horário para que todos em sua casa parem o que estão fazendo para ler, assim como param para assistir um programa de TV”, orienta ela. Mas atenção: leitura não deve ser imposição, deve ser um prazer. Como diz a escritora Adélia Prado, “livros devem ser oferecidos como uma caixa de bombons”. Por isso, deixe que ele escolha seus “sabores preferidos”. Um passeio à livraria ou à biblioteca de sua cidade pode abrir a ele um leque de oportunidades de leitura. Já para estimular a escrever bem, que tal ajudar seu filho a montar um blog na internet? Ele pode escolher o assunto que quiser e exercitar escrever textos e fazer argumentações sobre o tema eleito.

3. O que fazer quando seu filho não gosta de Idiomas estrangeiros

Saber se comunicar em um idioma estrangeiro como inglês ou espanhol é muito importante não só para o futuro profissional como também em atividades do dia a dia das crianças. “Os pais podem ajudar o filho a perceber a utilidade e o prazer de aprender um idioma estrangeiro mostrando as situações em que ele se depara com esses idiomas”, afirma Eugênia Castro, coordenadora pedagógica no colégio Madre Alix. Mostre para seus filhos cartazes, propagandas, rótulos de produtos com palavras ou expressões em inglês ou espanhol. Pesquise com ele na internet em quantos países no mundo se fala inglês ou espanhol e a influência desses idiomas em nossas vidas. Você também pode fazer atividades divertidas para exercitar o estudo dos idiomas, como assistir a filmes e ouvir músicas. Escolha um artista ou banda que seu filho goste, pesquise com ele a letra da música. Cante junto para exercitar a pronúncia e procure fazer a tradução para entender a letra. Ele gosta de vídeo games e jogos de computador? Eis outra grande oportunidade para que ele exerça o domínio do idioma inglês, já que muitos desses passatempos demandam conhecer expressões estrangeiras.

4. O que fazer quando seu filho não gosta de História

Para estimular o gosto pela História, a orientadora educacional do Colégio Hugo Sarmento, Valéria Galego sugere que os pais comecem por analisar junto com o filho sua própria história e a de sua família. “Mostre fotos antigas, conte histórias da família, mostra a importância de objetos que pertenceram a seus antepassados. Comece a resgatar a história que está próxima de seu filho. Deixe que ele conheça episódios da infância dos pais ou dos avós”, orienta ela. Depois disso, vocês podem explorar juntos a História que está além da sua casa e da sua família. Isso pode ser feito fazendo visitas a lugares históricos da cidade onde você mora. Também vale programar visitas a museus e assistir filmes baseados em histórias reais.

5. O que fazer quando seu filho não gosta de Geografia

O estudo e a importância da Geografia vão muito além de decorar nomes de países e suas capitais. A geografia está presente quando percebemos as diferenças de vegetação em diferentes paisagens, como na cidade ou na praia. Está quando observamos as características diferentes entre as áreas mais ricas e mais pobres de uma cidade. Quando a família vai viajar, por exemplo, os pais podem mostrar ao filho um mapa do local, indicar a ele a localização da cidade em relação a sua casa, sua posição dentro do país. “Podem também refletir juntos sobre a economia local, como vivem os habitantes, qual o tipo de relevo, etc”, diz a orientadora educacional do Colégio Hugo Sarmento, Valéria Galego.

6. O que fazer quando seu filho não gosta de Ciências

Assim como as demais disciplinas, as Ciências também englobam uma série de conhecimentos essenciais para nosso dia a dia. É por meio do estudo dela que podemos entender como e porque a chuva cai. Da mesma forma, se não estudássemos Ciências não poderíamos entender a maneira correta de nos alimentar ou a importância de proteger e preservar o meio ambiente.
Para estimular o filho no estudo de Ciências os pais devem aguçar a curiosidade que já é natural entre as crianças sobre os fenômenos que acontecem a sua volta. “Por que às vezes chove granizo?”, “Para onde vai o Sol depois que ele se põe”?, “Por que alguns animais nascem de ovos e outros da barriga da mãe?”. “O estudo das Ciências é muito envolvente e vai bem além das lições de casa”, diz a orientadora educacional do Colégio Hugo Sarmento, Valéria Galego. http://educarparacrescer.abril.com.br/aprendizagem/filho-nao-gosta-materia-783066.shtmlutm_source=redesabril_educar&utm_medium=facebook&utm_campaign=redesabril_educar

CIÊNCIAS: TIPOS DE LIXO

Realizando uma pesquisa de campo, a turma compreende a origem dos resíduos sólidos e quais são os diferentes destinos que eles devem receber

Cena de um aterro sanitário com diversos sacos plásticos, garrafas, restos de madeira, comida, etc. Imagem ilustra Plano de Aula de Biologia sobre os diferentes tipos de lixo que produzimos

Objetivos

Categorizar os diferentes tipos de lixo que produzimos em nossa sociedade
Identificar qual o destino correto para diferentes resíduos sólidos
Conhecer o conceito de logística reversa
Adotar práticas sustentáveis que envolvam o consumo consciente e o descarte correto de resíduos sólidos
Conteúdos

Abordagem sobre a Política Nacional de Resíduos Sólidos
Classificação do lixo
Consumo consciente
Responsabilidade compartilhada
Logística reversa
Anos
Ensino Fundamental I (1ª a 5ª ano)

Tempo estimado
5 a 6 aulas

Material Necessário

Prancheta
Luvas
Computador com acesso a internet
Cópias dos seguintes textos: “Classificação, Origem e Características” (disponível no site Ambiente Brasil), “Classificação adotada para os tipos de lixo” (disponível no site do Instituto de Biociências da USP), “Uma montanha que só cresce” (disponível no site de Planeta Sustentável), “Ricardo Abramovay e a riqueza do lixo”
Cópias dos seguintes vídeos: “Bom Dia Brasil: Logística Reversa” (a partir dos 3’30’’ – disponível no site do programa Bom dia, Brasil),”Globo Ecologia (reciclagem de celulares e baterias)” (a partir dos 8’10’’ – disponível no site Globo Ecologia), “O Nosso Lixo (2/3) – TV Brasil” (a partir dos 18’00’’ – disponível no YouTube), “O Nosso Lixo (3/3) – TV Brasil” (a partir dos 14’16’’ – disponível no YouTube)
Cópias dos seguintes infográficos: “Consuma sem consumir” e “Mapa do lixo”fONTE:Gente que Educa.